Descarte de entulho de obra: como fazer corretamente?

Descarte de entulho de obra: como fazer corretamente?

24 de julho de 2020 0 Por Bamaq Máquinas

Boa parte dos resíduos sólidos gerados em áreas urbanas é proveniente da construção civil. Levando em consideração que a redução de impactos ambientais é de responsabilidade de todas as parcelas da sociedade, é preciso ter atenção para fazer o correto descarte desses materiais. Mas, você sabe o que exatamente é considerado entulho de obra e como fazer o devido descarte?

O que é considerado entulho de obra?

O Conama, Conselho Nacional do Meio Ambiente, estabelece parâmetros e procedimento para fazer o correto descarte de entulho de obras, de forma a minimizar os impactos ambientais. 

Na resolução regulamentadora é descrito como entulho de obra ou RCC (resíduos da construção civil) os materiais residuais advindos de construção, demolição e reparos. Então, é possível citar como exemplo desses resíduos: telhas, tijolos, brita, madeira, vidro, gesso, plásticos, restos de fiação elétrica, cimento, entre outros tantos materiais. Além disso, são considerados entulhos também os materiais provenientes de escavações, como terra, rocha, metais, pavimento e materiais que compõem solos. 

Leia também: Como prevenir acidentes com máquinas e equipamentos pesados?

Caracterização do entulho de obra 

A Resolução 307, de 2002 do Conama regulamenta esse descarte. Para dar a devida destinação e encontrar o local adequado de armazenamento desses materiais, os entulhos são classificado em quatro grupos. 

  • Entulhos classe A: são aqueles considerados reutilizáveis ou recicláveis provenientes de construção, demolição, reformas e reparos de edificações. Exemplos: pavimentação, solos, tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento, argamassa e concreto. 
  • Entulhos classe B: São os recicláveis que devem receber outras destinações. São exemplos: plásticos, metais, vidros e papeis. 
  • Entulhos classe C: esses são os resíduos que não existem tecnologias para que sejam aproveitados por meio de reciclagem ou recuperação. Logo, que devem ser realmente descartados. 
  • Entulhos classe D: por fim, estão os entulhos considerados tóxicos e perigosos. Como é o caso de tintas, solventes, óleo, materiais que contenham amianto ou outras substâncias nocivas à saúde. 
Plano de Manuteção Preventiva

Como fazer o correto descarte?

Após a separação dos materiais de acordo com essas quatro classificações, é hora de dar a correta destinação para cada um desses tipos de entulho. 

Os de classe A devem ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados ou encaminhados aos aterros de resíduos classe A, onde serão reservados para usos futuros. 

Semelhante à isso, os de classe B, quando não reciclados ou reutilizados, também devem ser encaminhado para áreas de coleta para utilização ou reciclagem futura. 

Já os de classe C e D devem ser armazenados e descartados em conformidades com normas técnicas específicas. Você pode consultar nas seguintes normas brasileiras: Lei 12.305/2010,da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), NBR 15112/2004, NBR 15113/2004, NBR 15114/2004, NBR 15115/2004 e NBR 15116/2004. 

Você também pode querer ler: Máquinas para construção civil: conheça as 7 principais

Descarte de entulho consciente

Muitas vezes a reciclagem ou o reuso não são opções viáveis para os entulhos de obra. Então, o que deve ser feito é um descarte responsável para minimizar os impactos ambientais desses restos de materiais. 

Isso por ser feito por meio da coleta domiciliar. Para isso, os entulhos devem estar corretamente fragmentados e acondicionados. Também é preciso checar o limite diário em quilos por residência que a coleta é capaz de levar em sua cidade. 

Além desse recurso, dependendo do volume de entulho de obra e de sua natureza, é mais viável fazer a contratação de uma transportadora especializada para fazer esse manuseio, transporte e descarte de forma segura e correta. Sobretudo para materiais classe D, que podem expor às pessoas e o meio ambiente a um grande risco. 

Guia para aumentar a vida útil das suas máquinas