Proteção contra Roubos de Máquinas Pesadas e Agrícolas

Proteção contra Roubos de Máquinas Pesadas e Agrícolas

9 de setembro de 2019 0 Por Bamaq Máquinas

O aumento de vendas de equipamentos pesados no agronegócio, tem atraído o interesse de bandidos que roubam equipamentos como Retroescavadeiras, Carregadeiras e Tratores Agrícolas, alimentando o mercado negro de pesados. Dezenas de maquinas são furtadas todo mês em nosso Pais.

Especialistas em segurança pública afirmam que esse tipo de crime é um delito de oportunidade muitas vezes por relapso de operadores. O preço dessas máquinas ultrapassa os R$ 200 mil reais e na maioria das vezes e executado por quadrilhas especializadas.

As quadrilhas atuam principalmente em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Pará. Esses roubos são sempre feitos por encomenda. Os meliantes transportam as máquinas com carretas e dentro de galpões imediatamente retiram as plaquetas e colocam novas adulteradas transportando-as para o novo destino. Normalmente os equipamentos são enviados para os outros estados com nova documentação. A fiscalização rodoviária, se houver, sequer percebe que se trata de roubo.

As quadrilhas mais profissionais contam com pelo menos cinco integrantes, cada um com funções bem definidas. Os chefes geralmente têm empresas de revenda de equipamentos usados ou de prestação de serviço de terraplenagem e locação em regiões bem distantes dos locais (regiões remotas) onde os delitos são cometidos, para não serem descobertos.

Nas estradas, a fiscalização do transporte de máquinas utilizadas em obras obedece aos critérios de transporte de cargas, portanto, o policial militar rodoviário não tem autonomia para retenção ou apreensão do equipamento que está sendo transportado. Além disto, há outra dificuldade que é identificar se a máquina que está sendo transportada tem origem ilícita, uma vez que não existe uma informação ostensiva no equipamento, como uma placa de licença, por exemplo.

Seguro de máquinas?

Os proprietários de máquinas reclamam dos valores dos seguros e alegam que atualmente a receita está baixa devido à falta de obras. Para as empresas com muitos equipamentos na frota, existe o LMI (Limite Máximo de Indenização) para assegurar toda a frota estipulando-se um valor devido ao risco pulverizado, já que nem todas as máquinas estão sujeitas a um sinistro em conjunto. Na realidade, o seguro é uma forma de compartilhar riscos coletivamente. Quem tem dinheiro para bancar uma eventualidade é justamente quem menos precisaria fazer seguros. O produto é útil principalmente para quem não tem de onde tirar recursos se acontecer um imprevisto. Cada pessoa paga uma parte do prêmio, e quando houver uma ocorrência, o dinheiro de todos será direcionado para cobrir as despesas do segurado que foi afetado pelo sinistro. Uma dica importante também é, caso opte pela compra de seguro, fazer isso apenas por meio de um corretor ligado a uma empresa ou afiliado a algum banco. E consultar várias seguradoras, pesquisar antes de assinar a papelada.

Abaixo algumas dicas para minimizar a ação dos bandidos

  • Localização do estacionamento – É necessário cuidado extra quando a obra é feita em estradas e ruas com pouco movimento ou iluminação;
  • Iluminação – Independente da iluminação da rua, ou  praça o canteiro de maquinas deve ser bem iluminado para que o vigia possa ter ampla visibilidade do local;
  • Dispositivos – Instalar dispositivos como travas elétricas, bloqueadores de pneus e cadeados nas tampas de combustível dificultando a ação de quadrilhas;
  • Sem energia – Para equipamentos de grande porte, como retroescavadeiras e pás-carregadeiras, também é recomendado desconectar ou retirar a bateria dos motores;
  • Rastreadores – Instalar rastreadores também é uma medida que aumenta as chances de localizar o equipamento se ocorrer o roubo ou furto.
  • Segurança – Instalação de câmeras, sensores e cercas elétricas são uma boa alternativa para prevenir roubos;
  • Portaria – Estabelecer regras de controle rigoroso de entrada e saída da fazenda ou obra;
  • Identificação – Fazer contratos e pesquisas sobre nome do contratante, visitar o contratante e a região da obra, levantar o RGI do terreno de execução da obra e somente após todos os levantamentos e pesquisas, proceder com o envio do equipamento;
  • Especialistas – Contratar empresas de vigilância patrimonial idôneas, que disponibilizam profissionais treinados e serviços de segurança eletrônica, pode ser uma boa opção para reforçar a proteção do local.
  • Policiamento – Fornecer ao responsável pela segurança do canteiro o contato da equipe de policiais rodoviários responsáveis pelo patrulhamento da região.
  • RH – Ter controle dos antecedentes da equipe de empregados ligada diretamente à operação das máquinas
  • Classificação – Identificar as maquinas com números ou nomes de maneira ostensiva.